sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Aprender os números a cantar

 Andava na 3ª ou 4ª classe (não sabe precisar) e invariavelmente depois da escola passava por casa da sua bisavó Purificação Lopes para entretida e paulatinamente transcrever os versos, as quadras e os poemas; as lenga-lengas, as rezas e as estórias para um caderno que guarda religiosamente, mas de que já não encontra uma parte, embora a procure furiosamente uma e outra vez. Recorda com uma saudade nostálgica esses momentos... recorda a ternura e a paciência com que a bisavó esperava que ela escrevesse tudo... recorda as explicações às palavras que não compreendia e que ela aturadamente explanava... Falamos da Paula Pereira que nos deixa, hoje, "Aprender os números a cantar".
O número um estava a dormir,
O dois a dormir também.
Foi chamar o três a Belém,
O quatro não quis lá ir.
O cinco começou-se a rir,
Do seis tocar alvorada
O sete com muita força armado
Mete o oito num castelo.
O nove foi-se queixar ao Melo,
No dez deu uma facada.
O onze com uma bebedeira
Ao doze rogou uma praga.
O treze deu uma descarga
No catorze por brincadeira,
O quinze com tal cegueira
Chamou pelo dezasseis zangado.
O dezassete todo escamado
Do dezoito não querer falar
O dezanove com vontade de dar
O vinte que estava deitado
Vinte e um toca a rabeca
Vinte e dois o cavaquinho
Vinte e três é o careca
Mete o vinte e quatro num cantinho
Vinte e cinco paga o vinho
E o vinte e seis lá lhe o mando.
O vinte e sete petisca o frango
O vinte e oito faz o que quer
Vinte e nove toca a saltar
E o trinta baila o fandango.
O trinta e um é merceeiro
Trinta e dois augadeiro
O trinta e três é taberneiro
O trinta e quatro não tem dentes
Trinta e cinco toca os tranquetes
E trinta e seis é seu criado.
Trinta e sete todo admirado
Do trinta e oito jogar barra
E o trinta e nove toca guitarra.
E o quarenta bate o fado.
Bate o fado, bate o fado, bate o fado com franqueza,
eu já ouvi bater o fado, nas quatro quinas da mesa. 

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Incêndios- Dias infernais

 O reacendimento pelas 2h da manhã de Terça-feira
 À espera dele na Quinta de Monte S. Pedro, entre o Adão, Santa Ana e Vila Mendo. Era essencial não passar desta zona, doutro modo teria ido para Vila Mendo, Monte Carreto, Vila Fernando, Quinta de Cima, Ordonho...
 Estas e outras pessoas foram fundamentais para que o fogo fosse dominado; muitas delas andavam há 24h sem dormir ajudando nos incêndios de Domingo em Albardo, Quinta de Cima e Adão. A eles um muito obrigado.
De manhã, ao longe... ainda na esperança que fosse extinguido brevemente.
(Um dia destes, uma descrição mais pessoal destes dias... negros)


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Incêndios

Aqui um reacendimento às 2 da manhã na zona da "Queimada". Se não o tivéssemos atalhado teria ido ter a Vila Mendo, Monte Carreto... A esta hora, o fogo na Demoura, Pisão na Santa Ana lavrava com grande intensidade.
Amanhã descreveremos como vivemos este dia infernal.

sábado, 14 de outubro de 2017

Poemas Soltos

 Andava na 3ª ou 4ª classe (não sabe precisar) e invariavelmente depois da escola passava por casa da sua bisavó Purificação Lopes para entretida e paulatinamente transcrever os versos, as quadras e os poemas; as lenga-lengas, as rezas e as estórias para um caderno que guarda religiosamente, mas de que já não encontra uma parte, embora a procure furiosamente uma e outra vez. Recorda com uma saudade nostálgica esses momentos... recorda a ternura e a paciência com que a bisavó esperava que ela escrevesse tudo... recorda as explicações às palavras que não compreendia e que ela aturadamente explanava... Falamos da Paula Pereira que nos deixa, hoje, Poemas Soltos:

Cantigas são meninices
Palavras dadas ao vento
Quem se leva em cantigas
É falta de entendimento.
 ------


A folha do castanheiro
É recortada como a renda
Rapaz quando te casares
Procura mulher, não fazenda
Porque a fazenda é um dote
E a mulher é uma prenda.
 -----
Quando eu nasci chorava
Com pena de ter nascido
Parece que adivinhava
Que o mundo estava perdido.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Ida à lenha

Domingo, pelas 09h, iremos à lenha. Quem quiser ajudar...

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Momentos

Momentos... simples e parcimoniosos... momentos...

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Poesia popular- "Mariquinhas Costureira"



Andava na 3ª ou 4ª classe (não sabe precisar) e invariavelmente depois da escola passava por casa da sua bisavó Purificação Lopes para entretida e paulatinamente transcrever os versos, as quadras e os poemas; as lenga-lengas, as rezas e as estórias para um caderno que guarda religiosamente, mas de que já não encontra uma parte, embora a procure furiosamente uma e outra vez.  Recorda com uma saudade nostálgica esses momentos... recorda a ternura e a paciência com que a bisavó esperava que ela escrevesse tudo... recorda as explicações às palavras que não compreendia e que ela aturadamente explanava... Falamos da Paula Pereira que nos deixa, hoje, a Mariquinhas Costureira:



- Mariquinhas costureira
Tão bem sabe costurar,
Dá o ponto miudinho
Já me cá está a agradar
Se me fizesse uma camisa
O pano lhe ia comprar.

-  Vá comprá-lo senhor Eduardo
Eu sou nobre, ganho dinheiro,
Para a fazer ao seu gosto
Diga como a quer primeiro.

- Eu quero-a à moda de caixeiro
Bem sabe a minha oficina
Sabe que na minha loja
Que é a obra muito fina
Sabe que no lugar onde eu estou
Sou mirado por muita menina.

- Senhor Eduardo,
Ensine-me a doutrina
E a respeito de bem, não lhe dê cuidado,
O que eu sou muito careira,
Mas trabalho apurado.

- Há-de ser minha namorada
Mariquinhas já precisa
Isto foi um pé de falar
Que eu tenho lá muita camisa.

- Senhor Eduardo dá-me o riso,
Com coisa fraca não se “estrove”
O senhor Eduardo vale oiro
E eu nem sequer a cobre.

- Mariquinhas para mim é nobre
Sempre foi do meu intento
Se a Mariquinhas quisesse
Tratávamos do casamento.

- Isso não senhor Eduardo,
Isso não é para mim
Para levar á Igreja
Quer coisa igual a si.

- O que me acha de ruim
Mais valia estar calada
Decerto que andou de namoro
E de outro está escaldada.
Quando em mim vir falsidade,
Então me dará essa bofetada.
Mariquinhas dê-me um beijo
Que um beijo não é muito
Só para ver se eu vou logrando
Alguma coisa desse fruto.

- Deus me livre que eu fosse
À igreja com essa falha
Lá com respeito a beijos
Só se pedem à canalha.

- Quem me dera já casado
Que fosse amanhã ou depois
Se a Mariquinhas quisesse
Andava o carro diante dos bois.

- Isso não Senhor Eduardo,
Isso não lhe posso fazer
Temos tempo ou depois
Se nos chegarmos a receber.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Vila Mendo On Tour

O Vila Mendo On Tour deste ano vai ser dia 21 e 22 de Outubro. Vamos até Lisboa onde pernoitaremos na Pousađa da Juventude no centro da cidade e onde será o almoço de Domingo.
No sábado, partiremos pelas 07h. Pelas 11h estaremos em Alpiarça (Santarém) a visitar a Reserva Natural do Cavalo Sorraia; neste espaço faremos o almoço comunitário (quem quiser terá um restaurante). Pelas 15h, ali perto e também em Alpiarça, iremos à Casa dos Patudos (museu). No Domingo de manhã visitaremos o Castelo de S. Jorge. A tarde, em princípio, será de visita livre por Lisboa, mas ainda poderá haver alguma novidade.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Gentes de Cá

Santiago Soares, Catarina Tavares (Ana Francisca que está quase a nascer) Andrea Soares, Sara Soares

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Eleições na Guarda

Os resultados em Vila Fernando para a Assembleia de Freguesia foram:
PSD- 208 votos; PS- 102; Nulos- 3; Brancos- 1, pelo que Bruno Pina continuará como Presidente.
Na Guarda o PSD obteve 61,2% dos votos, o PS 23,35%, o CDS- 5,59%, o Bloco 3,04% e a CDU 2,11%, pelo que o PSD elegeu 5 vereadores e o PS 2. Álvaro Amaro renova o mandato.

sábado, 30 de setembro de 2017

Assembleia de Freguesia Vila Fernando

Bruno, Albertino, Luís Filipe Soares, Carlos Moreira, Carla (Maria Inês) Luís Nunes
Decorreu ontem a última Assembleia de Freguesia de Vila Fernando. Faltam na fotografia o Sr. Carlos "Alfaiate", o Agostinho, o Casimiro e a Maria do Carmo do executivo.
Foram 4 anos de cordialidade e bom ambiente. Que assim seja no futuro, ganhe quem ganhar.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Eleições na Guarda

A campanha chega hoje ao fim (ainda bem!) e parece-me que cada qual já tomou a sua decisão (há muito, provavelmente). 
A Associação de Vila Mendo, através deste espaço nas entrevistas que fez aos candidatos à Câmara e à Junta de Vila Fernando, pretendeu deslindar posições, ideias, projectos para que as pessoas pudessem melhor decidir em vista ao Bem Comum; sem qualquer tendência ou preferência (como convém a uma associação). As questões colocadas foram propositadamente simples e iguais para que as respostas pudessem ser mais clarificadoras para os leitores; por partir de pressupostos diferentes, por ser Presidente da Câmara, as perguntas a Álvaro Amaro foram ligeiramente diferentes. O critério temporal de publicação foi a ordem de chegada das respectivas entrevistas, uma vez que elas foram enviadas ao mesmo tempo. Infelizmente, só o candidato do CDS (Carlos Adaixo) não respondeu às questões colocadas, ignorando as tentativas feitas para o efeito (provavelmente Vila Mendo nada lhe dirá, bem como a freguesia de Vila Fernando ou não precisaria de maior visibilidade logo de mais votos... talvez. Depois das eleições com certeza terá tempo para ir a Vila Mendo conceder-nos algum valor enquanto comunidade.).
Esperemos que quem ganhar faça o seu trabalho, que a oposição faça bem o seu trabalho e que os bons projectos sejam efectivados sem delongas nem desculpas vãs, pelo bem da(s) nossa(s) comunidade(s).

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Comício PSD- Vila Fernando

Realiza-se hoje o comício do PSD em Vila Fernando. É no Salão Paroquial às 20h.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Momentos... simples

Carlos, Pereira, Manuel, Telmo, António Júlio, Quim
É nos pequenos instantes, nos ténues fogachos de um qualquer momento que as preocupações se desvanecem, que a tranquilidade prevalece, que as relações se cimentam... simplesmente. 

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Entrevista a Carlos Canhoto- Candidato pela CDU

Carlos Canhoto- Candidato pela CDU à Câmara da Guarda

Que motivos o levaram a candidatar-se à Câmara da Guarda?
A CDU tem uma forte ligação às populações e aos seus anseios e uma forte tradição no trabalho autárquico (quer na oposição, quer no poder executivo), procurando estar presente em todo o território nacional. O concelho da Guarda tem necessidade de uma outra política e precisa da CDU. Foi, por isso, com toda a naturalidade que aceitei o desafio que me foi proposto pelo meu partido, o PCP.

Que expectativas tem a nível dos resultados eleitorais?
Um reforço expressivo da votação na CDU que nos permita ter mais força para defender os interesses da população, nomeadamente pelo aumento do número de mandatos nos vários órgãos autárquicos. Estamos, naturalmente, em condições de assumir qualquer cargo para o qual a população nos mandate, e cremos que há condições para aumentar o número de eleitos na Assembleia Municipal e eleger um vereador.

Que projectos âncora tem para a Guarda?
Antes de mais, assumir que o concelho da Guarda não é só a cidade. Se todo o concelho tem sofrido com o abandono e a desertificação, as freguesias rurais têm sofrido o esquecimento por parte do poder autárquico. Defendemos, por isso, uma rede de transportes públicos que sirva condignamente todo o concelho, o apoio à instalação de micro, pequenas e médias empresas com especial enfoque nas que se instalem nas freguesias rurais e nas que tenham uma ligação aos produtos endógenos, apoios aos produtores agrícolas locais, reduções de IMI para a instalação nos centros históricos da cidade e das aldeias (visando a sua recuperação), a extensão da programação cultural às freguesias rurais e a dotação de equipamentos (nomeadamente parques infantis). Lutaremos também pelas escolas de proximidade e por serviços públicos de proximidade, nomeadamente na área da saúde. E porque entendemos que os órgãos autárquicos devem estar tão próximos das pessoas quanto possível, lutaremos pela reversão da extinção de freguesias. Mas promoveremos uma política que vise muito claramente uma melhor qualidade de vida no concelho. Em termos de urbanismo e ambiente, com a criação de corredores verdes para a circulação pedestre na cidade, com a criação de uma rede de ciclovias no concelho, com a reestruturação do Canil Municipal, com a criação de novos espaços verdes e arborizados, com a despoluição do Rio Noéme e outras linhas de água, com a defesa e promoção das hortas urbanas, com a defesa e promoção da floresta e do património natural do concelho. Na área da cultura, património e turismo, o reforço do orçamento municipal para a cultura, a criação de uma escola de artes no antigo Hotel de Turismo, a criação de um centro de arte contemporânea, a recuperação e promoção do património histórico e a criação do Bilhete Único de Turista. Na área da educação, a elaboração de uma rede pública de creches e ATL, a melhoria de espaços educativos sob a responsabilidade do município e a criação de novos parques infantis e requalificação dos existentes (onde necessário). Na área da economia e produção local, o apoio ao comércio local, o apoio aos produtores locais, a ligação ao IPG e a valorização turística do património natural e histórico do concelho. E temos também propostas na área do abastecimento de água e saneamento (melhores serviços, menos custos para o utente) e na área da saúde (exigência de mais e melhores recursos materiais e humanos, além dos serviços de proximidade, que já referi). A CDU defende também uma intervenção combativa junto do poder central para reclamar o fim das portagens, a reabertura da Linha da Beira Baixa, melhores serviços na Linha da Beira Alta e a ligação ferroviária ao Polo Industrial (ex-PLIE), bem como uma maior exigência junto do poder central para que cumpra aquilo que são as suas competências e para que haja uma maior transferência de verbas para as autarquias.

Na sua óptica, quais os principais problemas, os principais desafios que a Guarda enfrenta actualmente e no futuro?
Naturalmente, ultrapassar o grave problema da desertificação, no qual as políticas autárquicas têm tido alguma responsabilidade, mas cujos responsáveis são, sobretudo, os governos que ao longo dos anos praticaram uma política de direita, destruindo e concentrando serviços, aumentando o custo de vida e destruindo o aparelho produtivo. Há que exigir dos governos uma outra política. Mas fazer com que as pessoas se sintam felizes no concelho da Guarda é o outro grande desafio. E isso passa por uma política que promova uma maior qualidade de vida, com mais e melhores serviços públicos e um cuidado planeamento urbanístico e ambiental.

Como vê a cultura na Guarda?
Não se pode dizer que haja uma verdadeira política cultural. Apesar de termos um equipamento tão importante como o TMG, a programação cultural da cidade é muito mais uma política de entretenimento, que cataloga públicos de acordo com o que está pré-estabelecido pela indústria do entretenimento, do que uma política que vise a fruição e criação de produtos artísticos e culturais, que crie uma relação da população com a arte e a cultura que que respeite a inteligência das pessoas. 

Rio Noéme. O que pensa fazer concretamente para resolver o problema da sua poluição?
Um dos principais pontos do nosso programa é a despoluição do Rio Noéme e de outros rios e linhas de água do concelho, bem como a devolução do rio Noéme e de outras linhas de água à população, valorizando as suas margens e meio envolvente, e promovendo projectos de lazer e de aproveitamento económico sustentável do ponto de vista ambiental. Para tal, há que, em primeiro lugar, identificar os focos de poluição e, em conjunto com as entidades competentes a nível do poder central, punir os responsáveis e impedir que a poluição continue. Tem havido um muro de silêncio, um certo medo de apurar responsabilidades por parte do poder autárquico.

Vila Mendo, que lhe diz?
A Vila Mendo é uma das localidades que eu descobri ao longo de muitos passeios de fim-de-semana pelo concelho e pela região da Guarda. Muitas localidades da região planáltica entre a Guarda e o Sabugal respiram um certo ar de nostalgia relativamente a um passado em que tinham mais habitantes, mais juventude e mais dinamismo económico. Muitas vezes com uma identidade muito própria que lhes é dada pela história e à qual os habitantes gostam de se sentir ligados. Vila Mendo não é excepção. Infelizmente, muitos anos de políticas erradas deixaram definhar povoações que tinham todas as condições para uma boa qualidade de vida. Mas há esperança. Em primeiro lugar porque as pessoas resistem e fazem tudo o que podem para dar vida às suas terras. Em segundo lugar porque uma outra política é possível. Por isso é importante reforçar a CDU, que é, de facto, uma força necessária.

domingo, 24 de setembro de 2017

Momentos

Catarina, Clotilde, Andrea, Sara, Santiago

sábado, 23 de setembro de 2017

Comício PS- Vila Fernando

Realiza-se hoje o comício do PS em Vila Fernando. É às 21h no Salão Paroquial.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Momentos

Quando as máquinas fraquejam... recorre-se à força braçal... como no antanho.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Formação

Nos próximos dias 4/11/18 e 25 de Novembro, vai decorrer na Associação uma formação subordinada ao tema: "Normas de qualidade, protecção do ambiente, segurança, higiene e saúde no trabalho agrícola". É uma parceria com a empresa de formação Comunilog, sendo formador Carlos Varandas Nunes. A formação terá a duração de 25h e é financiada. Os documentos necessários são: Cartão de Cidadão, Certificado de Habilitações e comprovativo de emprego (recibo de vencimento ou declaração da entidade ou declaração de início de actividade).

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Entrevista a Jorge Mendes- Candidato pelo Bloco de Esquerda

Jorge Mendes- Candidato pelo Bloco de Esquerda à Câmara da Guarda

Que motivos o levaram a candidatar-se à Câmara da Guarda?
Candidatei-me à Câmara da Guarda porque acredito que Bloco de Esquerda pode ser uma força decisiva para a abertura de um novo ciclo autárquico neste concelho. O critério do êxito de uma governação autárquica não pode ser o da quantidade de betão que contrata; não pode ser o da quantidade de festas e eventos que realiza, mas a satisfação dos direitos das pessoas, dos indicadores de igualdade e de coesão social, da sustentabilidade ambiental, da participação cidadã nas decisões e na vida da comunidade.
A política só faz sentido se for feita para as pessoas e com as pessoas, sendo necessária uma nova sensibilidade para garantir condições de estabilidade, o que pressupõe relações de diálogo permanente e sereno.

Que expectativas tem a nível dos resultados eleitorais?

Acreditamos que será possível eleger um vereador para a Câmara Municipal da Guarda. Também pensamos que o Bloco de Esquerda irá eleger mais deputados municipais e que irá eleger, pela primeira vez, um elemento para a Assembleia de freguesia da Guarda.

Que projectos âncora tem para a Guarda?

 No nosso Programa Eleitoral temos propostas em oito eixos prioritários: Transparência, participação e democracia; Educação; Turismo, Lazer e Património; Políticas Sociais; Cultura; Reabilitação urbana; Ambiente e sustentabilidade; Emprego e economia.
Das propostas que constam no nosso Programa eleitoral destacamos os seguintes projetos âncora:
a) O Bloco de Esquerda compromete-se a criar a figura do Provedor do Munícipe, que constituirá um passo significativo na aproximação e no incentivo à participação ativa dos cidadãos na vida pública, onde se inclui o direito à reclamação por um serviço de qualidade.
b) Requalificação do Parque escolar com a criação de um novo Centro Escolar que sirva a zona da Póvoa do Mileu, Bairro do Pinheiro e Bairro da Luz, um centro com qualidade com cantina (única), biblioteca e outros equipamentos de apoio. As atuais escolas básicas não têm já as condições necessárias para ser desenvolvido um ensino de qualidade.
c) Criar o Museu da Emigração
d) Colaborar com os privados interessados na criação de um MUSEU VIVO que mostre a vida no concelho da Guarda desde o século XIX.O museu, para além de construções alusivas poderia apostar na reprodução fidedigna de algumas atividades da região.
e) Criar um Observatório Social do Concelho e implementar o Programa “Guarda Feliz”, programa de combate à exclusão social com particular atenção às seguintes temáticas:
Pobreza e exclusão social; Imigrantes e inclusão social; População idosa, nomeadamente a que reside nas zonas rurais; Alcoolismo; Toxicodependências; Problemas ligados às deficiências; Violência doméstica.
f) Recuperar as instalações onde atualmente está a GNR, adaptando-as para um equipamento público que sirva para a realização de eventos um verdadeiro espaço multiusos com uma grande polivalência.
g) Implementar o Programa “Guarda Verde” que terá como objetivo a melhoria do desempenho ecológico no Concelho da Guarda. Neste Programa, devem constar projetos específicos de corredores ecológicos que estabeleçam a continuidade do Sistema Natural através do tecido edificado da cidade. Será um Plano “verde” que incluirá espaços de recreio e de produção bem como áreas de proteção e valorização da Natureza.
h) Estudar, conceber e implementar em conjunto com o Instituto Politécnico da Guarda e com outras entidades, nomeadamente ligadas à Saúde e ao Ambiente, o Projeto Guarda Cidade Bioclimática.

Na sua óptica, quais os principais problemas, os principais desafios que a Guarda enfrenta actualmente e no futuro?

O grande problema que a Guarda enfrenta atualmente é, infelizmente, um problema transversal a todo o interior do país: o despovoamento. Não é possível reverter esta situação, apenas com políticas de âmbito municipal. A questão de fundo prende-se com a quase ausência de Políticas de População que tenham uma visão integrada das três grandes variáveis em “jogo”: fecundidade, envelhecimento da população e migrações. A questão da atração de imigrantes é determinante para o futuro do aumento da população portuguesa e, para nós, é algo em que se tem que apostar para a região onde nos inserimos. Penso, ainda, que é preciso ter projetos diferenciadores como, por exemplo, apostar a sério num projeto como o que propomos da “Guarda cidade Bioclimática”, aproveitando as excelentes condições da nossa cidade. 

Como vê a cultura na Guarda?

A criação e a fruição cultural são parte marcante da cidade e do concelho. A candidatura do Bloco de Esquerda não se limita a estimar as atividades culturais, tanto as amadoras como as profissionais, tanto os seus agentes como os que têm o direito de fruir a cultura. Encara-as e apoia-as como parte de uma cidade com pessoas capazes, com um espaço público rico e fonte de soluções para a renovação urbana, para a qualificação das pessoas e para o emprego.
A candidatura do Bloco de Esquerda compromete-se a chamar os atores culturais a uma participação ativa com a qual se defina um projeto cultural integrado para o concelho. Pensamos que é urgente mudar a estratégia que tem sido usada na Política Cultural do nosso concelho – grandes eventos- em detrimento do apoio sustentado e formação dos atores culturais locais.

Rio Noéme. O que pensa fazer concretamente para resolver o problema da sua poluição?

O Bloco de Esquerda compromete-se a obrigar a Câmara Municipal da Guarda a identificar e fazer o mapeamento dos vários focos de poluição existentes no rio Noéme de forma a poder apresentar um plano devidamente estruturado que resolva de uma vez por todas este problema ambiental, devolvendo o rio às populações. É preciso fazer cumprir os valores máximos de descarga admitidos, agir de uma forma muito dura para com a(s) empresa(s) poluidora(s).

Vila Mendo que lhe diz?

A primeira vez que fui a Vila Mendo foi num dos meus passeios de bicicleta. Aliás, posso dizer que já passei por todas as freguesias do concelho da Guarda de bicicleta! Voltei a Vila Mendo em 2015 aquando do debate entre os candidatos à Assembleia da República. Apesar de ser uma pequena aldeia, tem pessoas muito interessadas e interessantes (as pessoas contam!) como se pode constatar no blog que publicam e na sua forma de participação cívica, nomeadamente através da Associação Cultural Recreativa de Vila Mendo.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Entrevista a Eduardo Brito- Candidato pelo PS

Eduardo Brito- Candidato pelo PS à Câmara da Guarda

Que motivos o levaram a candidatar-se à Câmara da Guarda?
Sempre entendi a política como serviço público. Afastado da vida política ativa desde 2009, o sentido de dever falou mais alto na altura de aceitar o desafio de ser candidato à Presidência da Câmara Municipal na atual conjuntura negativa que a capital de distrito vive. A Guarda definha a olhos vistos, perdendo população a um ritmo alucinante e vendo o seu tecido empresarial a enfraquecer de dia para dia. Na minha experiência autárquica, enfrentei um cenário semelhante e foi bem-sucedido. Também serei bem-sucedido na Guarda! 
Com uma localização excelente, principal porta de entrada da Europa por via terrestre, servida por dois bons eixos rodoviários e, em breve, também por dois eixos ferroviários, a verdade é que as estatísticas oficias dizem que a Guarda continua a perder importância económica e social quando comparada com as cidades vizinhas da sua dimensão. 
Tem sido um erro grave pensar que a projeção e a liderança de uma cidade com as ambições da Guarda se concretizam apenas pela realização de festas/eventos. Estas atividades têm o seu lado positivo mas quando são em excesso servem apenas para esconder os verdadeiros problemas. 
Sejamos claros: sem novas empresas, sem investimento em tecnologia e conhecimento, sem apoio forte ao empreendedorismo que atraia e fixe novos investidores, sem serviços públicos com dimensão em qualidade e em quantidade, por mais que se embeleze a cidade continuaremos a ver partir os nossos jovens e o futuro da Guarda estará seriamente comprometido. 

Que expectativas tem a nível dos resultados eleitorais?
O nosso objetivo é vencer as eleições de 1 de outubro, mas sabemos que essa decisão pertence aos Guardenses. 

Que projectos âncora tem para a Guarda?
No domínio do emprego, uma incubadora para apoiar novas iniciativas empresariais. 
Um fundo municipal de um milhão de euros para apoio à criação de novas empresas.
Construção no centro da cidade de um equipamento cientifico ligado ao estudo e alterações climáticas.
Uma parceria com o politécnico para captar novos alunos a nível nacional e internacional que torne a escola uma referência.
Centro nacional de investigação de investigação e promoção da agricultura biológica.
Plataforma ferroviária.
Transformar a Guarda numa cidade inteligente que atraia investimento nas áreas das novas tecnologias.

Na sua óptica, quais os principais problemas, os principais desafios que a Guarda enfrenta actualmente e no futuro?
Apesar da Guarda ter vários problemas, o principal é a sua capacidade para atraiar novos investimentos, quer seja na industria, nos serviços e no turismo. Esta é a nossa primeira prioridade.
Mas também precisamos reduzir significativamente os impostos municipais, a começar pelo IMI e preço da água.


Como vê a cultura na Guarda?
A Guarda tem feito um percurso interessante no domínio da afirmação cultural que é preciso diversificar ainda mais. E principalmente fomentar a capacidade criativa das instituições culturais da Guarda.

Rio Noéme. O que pensa fazer concretamente para resolver o problema da sua poluição?
O Rio Noéme e o Rio Diz que são o espelho da capacidade do executivo municipal do PSD são assuntos aos quais daremos total prioridade e são para resolver definitivamente nos primeiros dois anos de mandato. Uma cidade como a Guarda não pode conviver com situações de poluição desta natureza.

Vila Mendo que lhe diz? 
Exemplo de associativismo cultural e recreativo no seio de uma estrutura humana em aglomerado rural, factos de união e desenvolvimento local através de várias iniciativas culturais e recreativas, contribuindo para a divulgação das tradições locais e perpetuando a sua memória. Exemplo a seguir.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Momentos

          As uvas da vindima a serem descarregadas.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Entrevista a Álvaro Amaro- Presidente da Câmara e candidato pelo PSD

Nota: Esta será a primeira das cinco espécies de entrevistas realizadas aos candidatos à Câmara da Guarda; assim eles respondam.
Esta é a primeira publicada porque foi o primeiro a responder.

Álvaro Amaro- actual presidente e candidato pelo PSD

Com que objectivos se recandidata a um segundo mandato?
Avançar no rumo que traçamos há 4 anos e cujos resultados são visíveis e sentidos por todos os Guardenses.
Agora é possível reforçarmos alguns programas de apoio ao investimento e criarmos novos de promoção do emprego.
Estão muito claros no nosso programa eleitoral e estou convicto dos bons resultados no futuro.

Como caracterizaria a equipa que o acompanha?
A equipe que me acompanha é composta de Homens e Mulheres com sólida preparação técnica e com conhecimento real dos problemas que temos pela frente.
Não olhámos a “cores políticas”, mas sim à capacidade técnica e humana.

Um pequeno balanço destes 4 anos?
Fazer o balanço destes 4 anos é o exercício que peço aos Guardenses desde a mais pequena das Freguesias até à Cidade. Peço a todos que façam uma reflexão séria sobre o que era o Concelho no seu todo há 4 anos e o que é hoje.
Se isso for feito, independentemente das questões politico – partidárias, todos concluirão que a Guarda hoje atrai mais gente, mais investimento, mais turismo e por isso se estimula a economia.
A Guarda respira confiança.

Quais os principais problemas e desafios que a Guarda enfrenta?
Todos juntos ajudarmos a convencer o Poder Central que tem de adotar políticas publicas muito ativas, muito fortes para que ajude à fixação de empresas, logo de pessoas no nosso Interior.
Este é um desafio nacional.
Nós continuaremos essa luta.

Rio Noéme. A sua despoluição vai ser efectiva?
Tem de ser efetiva a despoluição do Rio Noéme e do Rio Diz tal como a Construção dos Passadiços no Mondego.
É estruturante para uma cidade aproveitar melhor o seu meio ambiente e os recursos hídricos.
Temos os estudos em fase adiantada e por isso já não são apenas intenções e muito menos promessas.

Vila Mendo, que lhe diz?
Vila Mendo hoje em dia diz-me muito, além do mais pelo trabalho magnifico da vossa Associação.
Pode parecer elogio por simpatia mas não é.
O movimento que gera e o impulso que transmite, são incentivos fortes para todos nós e constituem um bom exemplo de como é possível ganhar o combate mais geral de mais vida no interior.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Entrevista a Álvaro Amaro- Presidente da Câmara

Amanhã, uma pequena entrevista a Álvaro Amaro, Presidente da Câmara da Guarda e candidato pelo PSD às próximas eleições.

Tempos

No fim de uma qualquer tarde,  de um Domingo qualquer... crianças e adultos jogam a uns quaisquer jogos, sob o olhar pachorrento e ternurento daqueles que,  recostados, libertam um sorriso nostálgico dum tempo que já não volta.

sábado, 9 de setembro de 2017

Gentes de Cá

              Graça Soares e Alcina Pissarra

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Gentes de Cá

    Sr. José Gomes e Sr. Manuel Patrício

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Arranca das batatas

É tempo de se arrancarem as batatas. Em sacas, carregam-se até à loja, despejam-se na tulha de onde serão retiradas, ao longo do ano, para as mais diversas refeições e ocasiões.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Coisas da Vida

Faleceu o Sr. António Vinhas natural de Vila Mendo, mas com bastante ligação ao Adão, onde aliás tinha casa. O funeral será dia 6, pelas 14h, na zona de Paris para onde foi emigrado na década de 60 e onde, entre outras coisas, foi taxista.
Aos filhos, Carlos e Filipe, e à esposa Rosa os nossos pêsames.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Associação- o Berço

    (Fotografia de Henrique Nascimento)
A Associação, antiga escola, personifica a alma, o espírito, o sentir das gentes de Vila Mendo. Aqui, diferentes e singulares gerações medraram, agigantaram-se; construíram e cumpriram sonhos...
Hoje, Aqui, sonhamos... também. Pensamos uma Vila Mendo... maior; uma Vila Mendo de sonhos por cumprir, mas a cumprir...
Precisamos para isso de todos aqueles que forjaram (Aqui), à custa de suor e lágrimas, a sua identidade; precisamos que regressem às origens... para juntos semearmos ventos de esperança que resultarão, em última instância, numa Vila Mendo Viva no porvir... Acreditemos... Confiemos.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Entrevista a António Oliveira

António Oliveira, nasceu em Vila Nova de Tazem, Concelho de Gouveia, em 1947.
Estudou na Escola Industrial de Gouveia, na Escola Industrial Infante D. Henrique no Porto e no Instituto Industrial do Porto.
Fez a Guerra Colonial em Moçambique.
Entrou para a Renault da Guarda em Fevereiro de 1974, transitando depois para a Reicab/Delphi até atingir a idade da reforma.
É administrador do blogue "Sol da Guarda", um blogue bastante seguido e visitado pela sua acutilância e intervenção cívica.

Como analisa a situação da Guarda no presente (e em comparação com os últimos 30 anos) nos aspectos económico, social e político?
A Guarda, cidade, era até aos anos 60/70 uma cidade no alto do monte, muito concentrada no seu centro histórico.
Era uma cidade de muitos serviços e alguma indústria, sobretudo nos têxteis. A instalação da Renault e da Femsa na Guarda trazendo investimento importante e novos quadros técnicos, fez com qua a Guarda desse o seu primeiro grande salto.
No pós 25 de Abril a Guarda começa a modernizar-se, nem sempre bem, pois cresce de forma desordenada, sem um plano director claro, que só mais tarde veio a ser feito e por imposição do governo central.
A indústria automóvel cresce de forma exponencial e as fábricas da Guarda acompanham o crescimento, que infelizmente não é acompanhado pelos investidores locais, pois não apareceram indústrias complementares de apoio à indústria automóvel, e era preciso comprar fora sobretudo a metalurgia.
Nos anos 80 uma parte importante do tecido industrial da Guarda, que eram os têxteis, entra em declínio e não sabendo modernizar-se, nem ser competitivo, vai encerrando aos poucos.
A indústria automóvel, e outras nomeadamente a Gelgurt, vão assegurando e aumentando o número de empregos.
Acompanhando este ritmo, o sector de serviços instala-se. Funcionários públicos e privados. Os bancos, o hospital, a câmara, a segurança social entre outros dão vida à cidade.
Até às crises que se foram sucedendo durante este século XXI
E como vão as aldeias e a sua população? Nos anos 70,Sem estradas alcatroadas, sem água, sem esgotos e muitas sem electricidade, vão conhecer uma grande melhoria nas suas condições de vida. É a grande revolução rural. Mas com a oferta de emprego na cidade as populações deixam as aldeias e instalam-se na cidade e aí começa o despovoamento.
Actualmente a cidade continua a viver as consequências das indústrias de mão-de-obra barata e intensiva, que se deslocalizaram para países mais baratos. O que restou está com pujança suficiente para se manter e quase se pode afirmar que estamos ao nível dos anos 80.
A envelhecer e sem a criação de novos empregos, a PLIE continua estagnada, a Guarda perde habitantes por duas vias. Pela via da morte dos mais velhos e pela saída dos mais novos, quer para o litoral quer, para o estrangeiro.
Politicamente a Guarda pode ter sofrido com o facto de ter um partido dominante e uma oposição quase sempre distante e fraca.
Há quatro anos, com a falta de liderança, o Partido Socialista perdeu o poder para o Partido Social Democrata e pensava-se que a Guarda poderia ter um novo folgo de progresso.
No entanto, o novo Presidente, sem uma estratégia clara de desenvolvimento, vai-se gastando em pequenas obras de arranjos pontuais e em festas para as multidões.
E é sobretudo no Centro Histórico que se verifica a falta de estratégia, pois o abandono é cada vez maior e a degradação aumenta.
As aldeias, mesmo com a melhoria substancial das condições de vida, continua a despovoar-se e neste momento a Guarda, cidade, só está a ganhar população à custa das aldeias do concelho, quando antes ganhava o concelho à custa dos concelhos vizinhos.

Que projecto(s) são indispensáveis para que a Guarda seja uma cidade atractiva, pujante, liderante?
Esta é uma pergunta difícil e não há respostas óbvias.
Alindar a cidade é importante mas é insuficiente. As festas são importantes, no entanto são festas que basicamente atraem as populações do concelho e muito poucos de fora.
O emprego na indústria ainda é insuficiente, mas a Guarda não tem mão-de-obra qualificada para responder às necessidades.
O turismo é de passagem e não temos programas que possam atrair o turista por mais de um dia.
A PLIE está adiada, como foi dito, e a futura plataforma ferroviária será mais um mito. Os comboios de mercadorias passarão pela Guarda porque aqui não se fabrica nada que possa ser carregado e descarregado dos contentores ou vagões.
A dita produção endógena não sustenta o concelho e é visível na Feira Farta a boa vontade das Juntas de Freguesia para apresentarem os seus produtos e que a maior parte deles apenas são feitos para a ocasião.
Na minha opinião o motor deveria centrar-se no Instituto Politécnico, com a investigação, com cursos diferenciadores, com ligações à indústria portuguesa e não só à Guarda.
Para complementar o investimento nas indústrias culturais e criativas poderia ser outra saída, agora muito apoiadas pela Europa.
A Comunidade Intermunicipal ainda não encontrou o seu lugar e é uma mera plataforma para concorrerem aos recursos da Comunidade Europeia com disputas político-partidárias apenas pelo poder.
Se tudo continuas assim, o interior deixa de ter futuro e não chega pedir de joelhos ao poder central que atribua umas migalhas ao interior.

Estamos a entrar (ou já entrámos) em campanha eleitoral. Como vê toda esta azáfama que começa a marcar o dia-a-dia da nossa cidade?
A azáfama eleitoral começa sempre muitos meses antes da pré-campanha para quem está no poder. Os meios colocados no terreno são imensos. Desde a TV corporate em todos os locais camarários, até às redes sociais, a campanha começa muito antes.
Quem está na oposição normalmente acorda tarde e anda atrás dos acontecimentos e é por isso que quase nada se vê, tirando os placards espalhados pelas rotundas.
Não há debates, não há apresentação de programas.
Só a feitura das listas animou a cidade, mais pela curiosidade de saber quem vai e quem não foi do que por resultado de discussão pública.
A Comunicação Social local está a passar ao lado disto pelos muitos condicionalismos e que podem pôr em causa a sua sobrevivência.

É administrador do blogue “Sol da Guarda” (blogue bastante visitado e seguido) onde está atento à actualidade da nossa terra. Como vê a influência da blogosfera (e das redes sociais) comparativamente com o jornalismo “tradicional” (jornais e rádios, no caso da Guarda)?
A Comunicação Social da Guarda tem alguns constrangimentos, ligações familiares, falta de anúncios, pressões de retirar apoios, há um pouco de tudo.
As redes sociais estão muitos activas e muitas vezes pelos piores motivos.
Criam-se blogues e páginas com perfis falsos e criam-se também exclusivamente para estas alturas, para criticar, para elogiar e para insultar. Há um pouco de tudo. É preciso criar muitos filtros para compreender o que nos querem dizer e quem o diz.
Dar a cara continua a ser muito difícil.
É o futuro das campanhas, casa a casa, computador a computador. É por isso também que as bases de dados de utilizadores são pagas a preço do ouro.

É natural de uma comunidade rural (Vila Nova de Tazem). Como vislumbra o futuro das comunidades rurais e do próprio interior como tal?
A comunidade rural onde me criei tem muitas particularidades.
Já foi a Freguesia, agora Vila, rural mais importante do Distrito da Guarda. Agora está a morrer, até a escola básica vai desaparecer. Já teve mais de 3 mil residentes agora não terá mil.
Sempre viveu do vinho, das batatas e da imigração. Para os chamados Congo Belga e Francês, Para a Angola, Para a Venezuela e mais tarde para a França e Alemanha. Mais recentes Estados Unidos e Suíça. E assim viveu à sombra dos imigrantes que regressavam sempre. Agora é uma desolação de tantas casas abandonadas.
As batatas só para consumo doméstico. O vinho está bem, quer na adega cooperativa, quer nas quintas particulares, que produzem vinho de grande qualidade. Ultimamente até Joe Berardo lá comprou uma vinha.
Será o futuro?

Que lhe diz Vila Mendo?
Vila Mendo não me diz muito. Sei que pertence à Freguesia de Vila Fernando. É uma terra onde se vai, não se passa. Fui lá algumas vezes, há uns anos, pois havia aí uma modista de senhoras que trabalhava muito bem.
Creio que durante o meu percurso profissional lidei com pessoas de Vila Mendo.
Sei pelo blogue, que acompanho, que a Associação Cultural Recreativa de Vila Mendo, é muito dinâmica e tenta valorizar as suas gentes e a terra.
E ainda, que tem uma fonte com água muito boa, a melhor, disseram, no blogue.

(Muito tempo de vida para o Blogue e para a Associação. Para Vila Mendo que continue a sobreviver com a festa do Chichorro, apesar de fazer muito mal.)

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Agradecimento dos Mordomos da Festa

Queremos aproveitar para agradecer todo o apoio imprescindível e indispensável dado pela Associação Cultural e Recreativa de Vila Mendo à realização de mais esta Festa.
Não fora todo o trabalho já feito e o património que tem vindo a ser gerido e constantemente melhorado e a Festa seria bem mais difícil para os mordomos.
Aproveitamos ainda para agradecer a todas as pessoas que nos ajudaram antes, durante e após a Festa.
Mostrámos mais uma vez que somos uma aldeia dinâmica e capaz de atrair. Que seja assim por muitos e longos anos!
                                         Os Mordomos: Tiago Gonçalves e Zé Manuel

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Festa

   Solteiros/Casados
   Rancho do Centro Cultural da Guarda
    Noite de Domingo

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Entrevista a Bruno Pina- candidato à junta de Vila Fernando pelo PSD

Bruno Pina- natural de Vila Fernando, nasceu em 1981/03/05. Frequentou a Escola Primária de Vila Fernando, o Seminário do Fundão e o Liceu da Guarda. Especialista em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediatria na ULS Guarda no serviço de Pediatria e Neonatologia. Pai da Benedita Pina. Fundador do Clube dos Amigos da Freguesia de Vila Fernando. Cofundador do Grupo de Teatro o Noéme da Freguesia de Vila Fernando. Fundador o Jornal da Freguesia de Vila Fernando “ SeteVozes”.

Concorres a um terceiro mandato. O que te leva a tal?

Escolhemos recandidatarmo-nos à nossa Freguesia, não porque considerarmos que somos imprescindíveis, mas porque queremos continuar a participar nas decisões que moldam o nosso futuro. Queremos continuar a participar porque temos vontade e porque conhecemos os caminhos a percorrer para conseguir o que a nossa terra necessita nesta época onde os recursos financeiros são escassos. Será com o maior empenho, dedicação e trabalho que continuaremos a levar a cabo a nossa missão. Continuaremos a defender os interesses da nossa Freguesia e fortalecer a relação de interajuda entre o Município da Guarda e a nossa Freguesia que se verificou nestes quatro anos que passaram!

Algo que gostasses de ter feito e não pudeste?
Fica sempre a sensação de que não se fez tudo pois estamos a falar de uma Freguesia dispersa geograficamente e ainda com necessidades importantes para satisfazer.
A ampliação do cemitério da nossa Freguesia bem como a requalificação da estrada de Vila Mendo – Vila Fernando são duas obras que já gostaríamos de ter concluído. No entanto estou em condições de vos informar que relativamente ao cemitério as obras de ampliação irão iniciar nas próximas duas semanas. 
Já no que toca à pavimentação da estrada de ligação Vila Mendo – Vila Fernando irá ser uma realidade aquando do termino dos trabalhos de instalação do saneamento em Vila Mendo. Está decorrer o concurso publico pelo que em meados de setembro irá decorrer essa intervenção e respetiva pavimentação da estrada bem como as ruas intervencionadas.

Como definirias o mandato que está a findar? 

Foi um mandato que superou as nossas expectativas! Fruto da Excelente relação entre a Junta de Freguesia de Vila Fernando e o Município da Guarda.
Assim e em parceria com o Município da Guarda colocamos água bem como saneamento em diversas anexas que esperavam há cerca de 30 anos por estes dois serviços básicos.
No decorrer dessas intervenções pavimentamos ruas e estradas que se encontravam degradadas.

Que expectativas tens para a freguesia nos próximos 4 anos?

A responsabilidade deste cargo implica identificar necessidades e planear a respetiva concretização. São diversas e todas têm a sua importância. Temos de estabelecer prioridades, temos e continuaremos a ter a ajuda preciosa do Município da Guarda na pessoa do Drº Álvaro Amaro e restante equipa. Encontramo-nos atualmente a trabalhar no projeto dos próximos 4 anos que certamente serão tão desafiadores como os que estão prestes a findar.
Dirigirmos os destinos da nossa freguesia hà cerca de 8 anos, sabemos o caminho a percorrer para satisfazer as necessidades da nossa Freguesia e isso implica sermos responsáveis nos compromissos a realizar. 

Qual a constituição da tua equipa da tua equipa ( 7 primeiros lugares )? Como definirias essa equipa?
Será com maior empenho, dedicação e trabalho que continuaremos a levar a defender os interesses da nossa Freguesia. 
Bruno Pina - Vila Fernando;  Maria do Carmo – Vila Mendo ; Albertino – Quinta de Baixo; Luís Nunes – Quinta de Cima; Carlos Moreira - Aldeia de Santa Madalena; Casimiro – Quinta de Baixo; Carlos Simões – Quinta de Cima; Pedro Carvalho – Vila Fernando; José Corte Gonçalves – Vila Mendo; Carlos Nunes – Vila Fernando; Hélder Pires – Vila Fernando; Rodrigo Costa – Vila Mendo; Raquel Crespo – Monte Carreto; António Santos – Quinta de Baixo; Mário Carvalho - Vila Fernando; Manuel Joaquim – Quinta de Baixo; Tiago Robalo – Vila Fernando/Monte Carreto; Pedro Vaz – Vila Fernando; Lucinda Reis – Vila Fernando 

Um(s) projecto(s) para os próximos 4 anos?

- Requalificação do recinto das festas em Vila Fernando (repavimentação do recinto, construção de casas de banho públicas e bar de apoio); - Continuação da ampliação do cemitério da sede de Freguesia; - Arborização da zona do mercado e implementação de um parque de merendas; - Limpeza de caminhos agrícolas (ligação entre anexas e sede de freguesia) - Apoio às Associações locais
Quinta de Baixo: - Conclusão da pavimentação da Rua de Vila Fernando; - Conclusão da pavimentação das ruas em falta
Quinta do Meio: - Pavimentação das ruas; - Implementação de WIFI 
Quinta de Cima: - Conclusão da rede de saneamento; - Pavimentação das ruas da Quinta de Cima após conclusão da rede de saneamento
Monte Carreto: - Colocação da rede de abastecimento de água; - Pavimentação das Ruas
Vila Mendo: - Conclusão da rede de saneamento; - Conclusão da pavimentação das ruas de Vila Mendo após conclusão da rede de saneamento: - Pavimentação da estrada: Vila Mendo–Vila Fernando
Aldeia de Santa Madalena: - Conclusão da pavimentação de ruas 

Rio Noéme. O que tencionas fazer para que a sua despoluição seja uma realidade rápida?

É publico que está em fase de projeto e será anunciado em breve pelo Município da Guarda a estratégia para se proceder a essa despoluição. 
Esse projeto não dará resposta apenas e só à despoluição do rio Nóeme e Rio Diz mas dará respostas em termos de regeneração de todas as freguesias que usufruem do rio Noéme.
Para a nossa freguesia o referido prevê dois projetos estruturantes. 

Que te diz Vila Mendo?

Vila Mendo é a terra natal da minha bisavô materna. É uma terra de gente que sente Vila Mendo como só os próprios conseguem transmitir quando vos visitamos. Sempre desafiadora para mim enquanto Presidente, pois querem sempre mais e mais!
Vila Mendo é a melhor definição de associativismo. É o paradigma da união popular pela preservação da memória cultural, no que toca às tradições e costumes de Vila Mendo.